Home
Notícias
Fale Conosco
Quem Somos
Atuação
Clínicas
Aviso Legal

Trauma Desportivo



LUXAÇÃO DO OMBRO

Rev. 10-03-2015



LUXAÇÃO DO OMBRO – LUXAÇÃO GLENO-UMERAL

Se a articulação do ombro receber uma força além de sua amplitude de movimento normal, a superfície articular da cabeça umeral poderá se deslocar da glenóide em vários graus, sendo que a maioria das luxações ou subluxações do ombro são no sentido Antero-inferior.

Luxação anterior

A luxação anterior pode ocorrer de diversas formas, sendo mais comumente causada por uma força indireta, geralmente por uma rotação externa com o ombro em abdução, ou por um trauma direto posterior sobre o úmero proximal.
A cápsula anterior é distendida ou rompida com a sua inserção na glenóide anterior. A cabeça pode deslocar-se para a região subcoracoide, subglenoide, subclavicular ou posição intratorácica.
Nos atletas que têm luxações recorrentes, podem ocorrer duas lesões: lesão de Bankart, que é uma lesão capsular anterior associada com lesão do labrum glenoidal, geralmente com avulsão do ligamento glenoumeral inferior. A lesão de Bankart pode ocorre com fraturas da glenóide, geralmente sem desvio e tratadas juntamente com a instabilidade.
A segunda é a lesão de Hill-Sachs, uma fratura por compressão da superfície articular posterolateral da cabeça umeral, sendo criada pelo impacto da cabeça umeral luxada contra a glenóide anterior.
Se estas duas lesões forem muito extensas, o atleta ficará predisposto a ter luxações recorrentes, principalmente quando o braço estiver em abdução e rotação externa.
Uma fratura da glenóide também poderá contribuir enormemente para instabilidade, quando envolver mais que 20% do diâmetro da glenóide.
Podem ocorrer outras lesões, como avulsão da tuberosidade maior e lesão do nervo axilar.
Pode ocorrer também o denominado “braço morto”, uma síndrome que pós instabilidade articular, comum em lançadores que sentem uma súbita impotência funcional, com perda de força após um lançamento, porém os sintomas se resolvem em alguns segundos.
A luxação pode ser reduzida por inúmeras formas e técnicas, no entanto o indicado é o encaminhamento do atleta a um serviço médico, para uma avaliação adequada, exame radiográfico de rotina e para diagnósticos diferenciais e afastar possíveis fraturas.
Após a redução de uma primeira luxação, geralmente imobiliza-se o ombro em rotação interna por 2 a 6 semanas, pois a cicatrização leva até 6 semanas. Antes de retornar às atividades atléticas, o atleta deve ter amplitude de movimento normal, sem dor e com força normal no ombro. Deve ser dada ênfase ao fortalecimento dos músculos rotadores para compensar a frouxidão cápsuloligamentar.
Luxação recorrentes devem ser tratadas com imobilização mínima até o alívio da dor, seguida de ganho de amplitude de movimento e exercícios de fortalecimento muscular. Não havendo resposta ao tratamento conservador, a reconstrução cirúrgica da articulação pode ser indicada, havendo uma grande variedade de técnicas cirúrgicas, envolvendo o reparo do defeito labral e redução da frouxidão da cápsula anterior e estruturas ligamentares. Após a cirurgia, o objetivo é ganhar abdução total e rotação externa de aproximadamente 90 graus e o retorno ao esporte normalmente não ocorre antes de 6 meses.

LUXAÇÃO POSTERIOR

A luxação posterior resulta da lesão ou distensão da cápsula posterior ou da lesão da glenóide posterior. A lesão reversa de Hill-Sachs pode aparecer na superfície articular anterior do úmero. Com a luxação posterior, o músculo subescapular na inserção da tuberosidade menor pode ser lesionado.
A luxação posterior é freqüentemente de difícil diagnóstico porque o paciente pode ter contorno normal no ombro ou o deltóide bem desenvolvido do atleta pode mascarar os sinais de luxação da cabeça umeral. O paciente manterm o ombro lesionado em rotação interna e o examinador não pode rodá-lo externamente. Os exames radiográficos são essenciais e a redução deve ser realizada após uma avaliação adequada e imobiliza-se também por 2 a 6 semanas, em rotação externa e abdução.


Referências Bibliográficas:

1. Fraturas em Adultos, Rockwood, C.A., 4a. edição.



Voltar
Voltar